Airmet: “O objetivo é chegar aos números de 2019 ainda este ano”, afirma Luís Henriques

A Airmet, empresa de gestão de agências de viagens, viu a sua rede diminuir durante os dois anos de pandemia. Passou de 214 para 204 sedes e de 285 para 274 balcões.

“Há dois anos tínhamos 214 sedes, perdemos 10 sedes e onze pontos de venda. Perdemos agências muito importantes, não escondemos isso, mas acredito que evoluímos em termos de rede”, afirmou Luís Henriques, diretor geral da Airmet, em conferência de imprensa, à margem da 18ª Convenção da rede, que decorreu de 28 de abril a 1 de maio, no NAU Salgados Palace, no Algarve, com a presença de 280 participantes.

“Queremos crescer em número de lojas e em volume de vendas porque só com crescimento é que conseguimos sustentar este modelo. Temos neste momento uma proposta de valor e argumentos para o mercado, estamos completamente de braços abertos para, obviamente, angariar mais agências”, esclareceu.

A nível de faturação, Luís Henriques disse estarem ainda “a cerca de 25 a 30% de quebra de volume de faturação em relação a 2019” mas, no que respeita à retoma, espera que isso possa acontecer já em 2022 e garante que só ainda não o conseguiram porque “os meses de janeiro a março não permitiram chegar aos volumes de 2019”.

Este otimismo deve-se, sobretudo, ao facto de estar-se a verificar um aumento de receitas por parte das agências de viagens e pela valorização de diversas coisas que anteriormente os clientes são davam tanta importância. “Há uns anos, o preço era talvez o fator mais importante, neste momento há outros fatores mais importantes que permitiram às agências conseguir conquistar algum mercado” e depois, “em 2019, havia mais orçamentação e não tanta concretização, agora diria que as vendas são mais efetivas”, referiu Luís Henriques.

Um dos entraves ao sucesso deste início de ano deveu-se, em parte, ao princípio da guerra na Ucrânia, onde as agências da rede Airmet registaram uma “ligeira quebra nas primeiras duas semanas do conflito” e depois porque em 2019, no início de maio, “as partidas de alguns charters já estariam esgotadas e, neste momento, há disponibilidade em quase todas elas”.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here