Domingo, Maio 19, 2019
Autores Posts by Silvia Guimaraes

Silvia Guimaraes

2378 POSTS 0 COMENTÁRIOS

0
rhdr

O 45° Congresso da APAVT – Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo regressa ao Funchal ao final de nove anos, de 14 a 17 de novembro, para a sua quinta edição naquele destino insular, igualando assim Macau em número de recepções daquele que é considerado o maior congresso do Turismo em Portugal.
Para Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT, a escolha da Madeira para a realização do congresso deve-se em primeiro lugar “aos números relacionados com o Turismo que são produzidos na Madeira, pelo peso destes números no PIB da Madeira e pela importância do mercado emissor nacional para a realização destes números”. Para o dirigente associativo, estes três fatores fazem com que “a Madeira seja o local prefeito para a realização de um congresso da APAVT”.
Pedro Costa Ferreira enalteceu ainda que esta é “a quinta vez” que a APAVT visita o Funchal, “tornando esta cidade, conjuntamente com Macau, a que, na história dos congressos da APAVT, mais congressos recebeu” e “é a primeira cidade portuguesa em termos de número de congressos”.
Por outro lado, o responsável avançou que a decisão de voltarem à Madeira deve-se ainda “aos resultados dos números turísticos da Madeira, que nos últimos anos atingiram o mais alto patamar do ponto de vista dos resultados da atividade”, mas também, “conjuntamente com esses resultados, temos vários e alguns enormes desafios que temos que olhar, trabalhar e desconstruir juntos.
Pedro Costa Ferreira apontou “a desvalorização da libra e o Brexit, mas também a falência de várias companhias aéreas, que fizeram com que perdessemos algumas rotas importantes e que deixaram algumas cidades europeias sem ligações direta à Madeira”, como fatores que estão ainda por resolver em conjunto no que toca ao destino.
“Vamos ter o congresso na região perfeita, no momento ideal e com os amigos certos” terminou Pedro Costa Ferreira, frisando ainda que “são esperados 600 players do mercado nacional (…), com expectativa de um enorme êxito e que este congresso seja mais um passo em frente na definição e clarificação das estratégias a definir, quer pelo país quer pela região da Madeira, fortalecendo a fantástica dinâmica do mercado nacional e que a Madeira, cada vez mais, fique menos dependente dos principais mercados internacionais”.
A APAVT que irá realizar o congresso em conjunto com a Associação de Promoção Turística da Madeira e o anúncio da data e local do congresso decorreu esta manhã no Funchal e Paula Cabaça, secretária Regional da Economia, Turismo e Cultura, afirmou que este protocolo assinado entre a APAVT e a Associação de Promoção Turística da Madeira “é uma satisfação para a Madeira”.
Segundo a dirigente regional, “este protocolo tem uma grande importância do ponto de vista promocional, primeiro face à importância que o mercado nacional tem para a Madeira neste momento, sendo o terceiro mercado emissor, com crescimentos positivos ao longo destes últimos três anos, e depois porque este evento poderá vir reforçar o posicionamento do destino neste mercado emissor”.

0

Após 23 dias de ter aberto portas ao público, foi inaugurado, esta terça-feira, o Vila Galé Douro Vineyards, resultado de uma parceria entre Jorge Rebelo de Almeida e António Parente, presidentes dos conselhos de administração do Grupo Vila Galé e da AP Hotels & Resorts, respetivamente.

Localizado na zona de Armamar, nas idílicas escarpas vinhateiras do Douro, esta é a primeira fase do projeto de Agroturismo, que conta com sete quartos, restaurante e bar com vista panorâmica e terraço, adega, biblioteca e piscina exterior. O investimento, avançado por Jorge Rebelo de Almeida, durante a inauguração, foi de 8 milhões de euros, apenas para esta fase, e realizado pela Xvinus, empresa que surgiu após ambos os grupos hoteleiros terem formado esta parceria.

Em fase final de licenciamentos está a segunda fase do projeto, que o responsável acredita poder vir “a avançar em junho”, onde serão construídos mais 42 unidades de alojamento, entre quartos e suites, e que deverá estar concluída “até junho de 2020”. Nesta parte serão investidos “mais 5 milhões de euros”.

Jorge Rebelo de Almeida salientou, em conferência de imprensa, à margem da inauguração, que é para si “um prazer vir para o interior do país” e este projeto “tem tudo para dar certo”. Para si o mais importante era fazer um projeto que se enquadrasse na paisagem do Douro. O hoteleiro admitiu que embora a Vila Galé não tenha “a imagem internacional que tem a Six Senses, mas tem uma imagem já forte, com condições de trazer pessoas para aqui e para Elvas e Manteigas, que são os nossos atuais projetos mais de interior”.

Quanto a mercados, o brasileiro e o norte-americano, ao serem os principais mercados emissores internacionais na outra unidade que a Vila Galé detém no Douro, junto à Régua, são os mais espetáveis agora também para o Vila Galé Douro Vineyards, embora o nacional ainda represente a maior fasquia, com 60% do total de hóspedes

Instalado na Quinta do Val Moreira, o Vila Galé Douro Vineyards distingue-se pela magnífica vista para os rios Tedo e Douro, mas também pela forte aposta no Enoturismo e na produção de vinhos e azeite. Aqui, a Xvinus já está a produzir vinhos do Douro e vinhos do Porto, tirando partido dos cerca de 25 hectares de vinhas existentes na propriedade. Nesse âmbito foi também criada uma nova marca: Val Moreira. E diariamente, é possível fazer visitas à adega em provas de vinhos.

O preço por quarto nesta nova unidade situa-se entre os 165€ e os 300€ e a adega está preparada para receber visitas e provas de vinho diárias, das 10 às 18h.

Minho poderá ser o próximo passo desta parceria

Tendo igualmente em vista a componente de Enoturismo, Jorge Rebelo de Almeida adiantou aos jornalistas que esta parceria com António Parente poderá ir mais além. O objetivo será investir no Minho, tendo o vinho verde como anfitrião.

“Andamos à procura”, garante António Parente, que afirmou que esta parceria surgiu como forma de “consolidar uma amizade já de há muitos anos” e por ambos serem produtores de vinho, um do Alentejo e outro da região de Lisboa e por considerarem que “o Douro era um desafio e uma oportunidade”. Agora, “estamos a pensar num outro na zona do Vinho Verde, porque achamos que a parceria se pode estender a outras oportunidades”, revelou o também proprietário da SP Televisão.

Novos projetos Vila Galé

O Vila Galé Collection Elvas, resultado de um concurso Revive, será o próximo a abrir em soft openning a 31 de maio, tendo inauguração prevista para meados de junho. Segue-se a unidade da Serra da Estrela, em Manteigas, no final deste ano ou até ao final do primeiro trimestre do próximo ano.
Em relação a novas unidades, Jorge Rebelo de Almeida disse que estão a equacionar a hipótese de concorrerem a outros dois projetos Revive, o do Quartel da Graça, em Lisboa, e o Paço Real de Caxias, em Oeiras.

0

A Marriott International pretende incluir em seu portfólio mais um hotel modular, o AC Hotel New York Nomad. A construção, que deve ser finalizada no fim do outono deste ano em New York (EUA) e terá 26 andares. Os hóspedes serão recebidos, porém a partir  do final de 2020.

A Marriott International está a investir 65 milhões de dólares (58,3 M€) na torre modular, que tem quartos pré-fabricados e mobilados.

Localizado na 842 Sixth Avenue, o hotel terá 168 quartos que serão entregues para a marca com pinturas e pisos, mas também equipados com camas, lençóis, travesseiros e produtos de higiene pessoal. Na cobertura, o telhado e o bar também serão modulares – o restaurante e o saguão devem ser construidos com métodos tradicionais.

Este não é o primeiro hotel pré-fabricado da cadeia Marriott International, que pesquisa esse tipo de estrutura desde 2014 para compensar o aumento dos prazos de connstrução de hotéis. Segundo a Marriott , o processo, além de ser mais rápido, reduz o desperdício de materiais e o ruído local. Enquanto as àreas comuns são levantadas, os quartos são fabricados.

“Na América do Norte, o processo de construção não mudou significativamente em 150 anos e está preparado para a inovação”, acrescenta Eric Jacobs, o diretor de desenvolvimento da América do Norte, select e extended stay brands da Marriott International

0

A TAP vai ter um novo simulador de voo, para treino de pilotos, no Aeródromo de Tires, resultado de uma parceria entre a companhia e a Câmara Municipal de Cascais.

O simulador, de um Airbus A320, estará em funcionamento já a partir de junho e permitirá à TAP dar resposta às suas crescentes necessidades de formação de pilotos, fruto da sua estratégia de expansão, com aquisição de novos aviões, inauguração de novas rotas e aumento do número de passageiros transportados.

Desde o início do ano passado, a TAP já recrutou cerca de 250  pilotos, aumentado consequentemente as suas necessidades de equipamentos de formação.  

0

De acordo com o AHP Tourism Monitors em fevereiro de 2019 a Taxa de ocupação (TO) fixou-se nos 53%.

Em fevereiro de 2019, a TO desceu 2,2 p.p. (menos 4%), em comparação com fevereiro de 2018, atingindo os 53%. Por categorias, a assinalar a variação negativa em todas as categorias, com destaque para os hotéis de 4 estrelas onde a variação foi de menos 3,3 p.p. face a fevereiro de 2018.

Os destinos turísticos com a TO mais elevada foram Madeira (71%), Lisboa (67%) e Grande Porto (55%).

O ARR subiu 1%, fixando-se em 70 euros. Em relação a este indicador, registou-se uma quebra nas 5 estrelas onde a variação foi de menos 2% face ao mesmo mês do ano anterior.

O RevPar foi de 37 euros, menos 3% face ao período homólogo. Os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram Lisboa (57 euros), Madeira (49 euros) e Grande Porto (40 euros).

Cristina Siza Vieira, vice-presidente da AHP, considera que “os resultados deste mês de fevereiro foram um claro reflexo do «efeito Carnaval», que no ano passado se festejou em fevereiro e este ano aconteceu em março. Carnaval e Páscoa, como é sabido, são dois momentos altos do primeiro quadrimestre para a hotelaria nacional, pelo que as alterações de calendário impactam no calendário. De destacar, ainda, que a Madeira está em queda na TO há 5 meses consecutivos e que, apesar do crescimento homólogo no ARR, a queda na TO já se está a refletir desde o inicio do ano numa quebra, ainda que ligeira, no RevPar. Isto é, apesar dos bons resultados na TO e no RevPar da Madeira, em termos comparados com outros destinos,  preocupa-nos este registo consecutivo de performance negativa nestes indicadores, sobretudo pela queda dos hóspedes dos mercados inglês e alemão.”

0

A Transavia, companhia low-cost do Grupo Air France-KLM, já iniciou as vendas do seu programa para o Inverno 2019-20 e mantém a sua forte aposta no mercado português, oferecendo um total de 846 mil lugares e 4546 voos de/para Portugal – com tarifas desde 25 Euros para ida simples. Acrescentando uma frequência em algumas rotas selecionadas como Lisboa – Eindhoven, Porto – Amesterdão ou Faro – Eindhoven, a histórica Porto – Paris-Orly recebe igualmente um voo adicional para oferecer 30 por semana e Lisboa – Paris-Orly propõe uma oferta robusta de 20 voos semanais.

“Estamos muito satisfeitos por iniciar as vendas do programa de Inverno 2019-20, oferecendo as melhores tarifas para visitar destinos incontornáveis na Europa a partir deste Outono. Com o reforço de frequências, incluindo em Portugal, a Transavia mantém-se empenhada em tornar as viagens ainda mais atrativas e acessíveis para viajantes tanto de negócios como city-trip. Sendo a low-cost # 1 no aeroporto de Paris-Orly e apresentando uma taxa de pontualidade de mais de 80% em 2018, a Transavia foi ainda distinguida pela qualidade da sua relação online com clientes o ano passado. Colocamos o conforto e a excelência operacional no centro de nossos serviços e o ‘Make low-cost feel good’ vai continuar a ser a nossa palavra de ordem em 2019!”, afirma Nicolas Henin, Chief Commercial Officer of Transavia.

Programa de Inverno 2019-20 (de 27 de Outubro de 2019 a 28 de Março de 2020):

De Lisboa

  • Amesterdão – 8 voos/semana – a partir de 34 € para ida simples
  • Eindhoven, – 4 voos/semana – a partir de 29 € para ida simples
  • Lyon – 4 voos/semana – a partir de 30 € para ida simples
  • Nantes – 6 voos/semana – a partir de 30 € para ida simples
  • Paris-Orly – 20 voos/semana – a partir de 33 € para ida simples
  • Roterdão/ Haia – 2 voos/semana – a partir de 34 € para ida simples

Do Porto

  • Amesterdão – 7 voos/semana – a partir de 34 € para ida simples
  • Lyon – 3 voos/semana – a partir de 25 € para ida simples
  • Nantes – 4 voos/semana – a partir de 29 € para ida simples
  • Paris-Orly – 30 voos/semana – a partir de 30 € para ida simples

De Faro

  • Amesterdão – 9 voos/semana – a partir de 35 € para ida simples
  • Eindhoven – 4 voos/semana – a partir de 25 € para ida simples
  • Nantes – 2 voos/semana – a partir de 29 € para ida simples
  • Paris-Orly – 5 voos/semana – a partir de 29 € para ida simples
  • Roterdão/ Haia – 8 voos/semana – a partir de 32 € para ida simples

Do Funchal

  • Amesterdão – 4 voos/semana – a partir de 49 € para ida simples
  • Lyon – 1 voo/semana – a partir de 79 € para ida simples
  • Nantes – 1 voo/semana – a partir de 80 € para ida simples
  • Paris-Orly – 9 voo/semana – a partir de 70 € para ida simples

0

O Lisbon Marriott Hotel sugere para o Dia da Mãe, que este ano se celebra a 5 de Maio, um almoço no CITRUS Restaurante.

O Chef Executivo António Alexandre preparou para esta data um buffet especial onde se destacam nos frios uma variedade de iogurtes, sementes e granola, salada Caeser, salada Niçoise com atum e ovo codorniz, salmão e bacalhau fumado, variedade de queijo e carnes frias.

Já o buffet quente inclui ovos mexidos, salsichas grelhadas, peito de frango frelhado com limão e azeite, tranche de salmão com alcaparras, batatas Dauphinoise, feijão em molho de tomate. 

Para terminar, a lista de sobremesas aposta na tradição com mousse de chocolate, arroz doce, pastéis de nata e saladas de frutas.

O brunch tem o valor de 30€ por pessoa, com bebidas não incluídas, além de proporcionar condições especiais aos filhos com refeições gratuitas até aos 6 anos e 50% de desconto dos 7 aos 12 anos sendo necessário reserva antecipada.

Antes do almoço, uma oferta especial para toda a família que é um brinde à Mãe com uma taça de espumante.

0

Foi lançado esta segunda-feira o concurso público para a concessão do Paço Real de Caxias, em Oeiras.

O concurso decorrerá em duas fases. A primeira, o período de qualificação prévia de candidatos, decorre até 6 de junho de 2019. Posteriormente será lançada a segunda fase, com um período de 30 dias para apresentação de propostas.

O imóvel será concessionado durante 50 anos para exploração para fins turísticos.

O Paço Real de Caxias foi construído em meados do século XVIII, por vontade do Infante D. Francisco de Bragança, e concluído pelo futuro rei D. Pedro V, que ali se deslocava com frequência com a família real. O espaço destaca-se pelos jardins geométricos, de influência francesa, inspirados nos jardins do Palácio de Versalhes, pela cascata e por diversas esculturas, e o Paço pelos tetos pintados ou pelos azulejos azuis e brancos.

O Paço Real de Caxias foi classificado como Imóvel de Interesse Público em 1953. Inicialmente utilizado como residência de férias da família real, teve utilizações diversas ao longo dos séculos. Nos últimos anos acolheu serviços do Ministério da Defesa Nacional.

O valor base previsto no concurso para a renda anual é de 174.912 euros e o investimento estimado é de 11,6 milhões de euros. A área de construção total é de 5.817 m2.

O Paço Real de Caxias é um dos 33 imóveis inscritos no Revive, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais. Pretende-se com este programa valorizar e recuperar o património sem uso, reforçar a atratividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país.

Este é o 17.º concurso a ser lançado no âmbito do Revive. Atualmente, estão abertos os concursos para a concessão do Convento do Carmo, em Moura, do Mosteiro de Lorvão, em Penacova, e do Castelo de Vila Nova de Cerveira.

O Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, sublinha que “o lançamento do concurso para a concessão do Paço Real de Caxias é uma excelente oportunidade para recuperar este imóvel de grande valor patrimonial. O Paço Real de Caxias tem uma localização privilegiada no concelho de Oeiras e a sua exploração será um fator de geração de riqueza e de criação de postos de trabalho”.

O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, refere que “o lançamento do concurso público para a concessão do Paço Real de Caxias assinala o compromisso da Defesa Nacional com a revalorização do seu património histórico e com a disponibilização para fruição deste imóvel de interesse público. Esta parceria entre a Defesa Nacional e o Programa REVIVE reverte o avançado estado de degradação do edificado, integrado num jardim enriquecido por lagos e esculturas, permitindo assim igualmente a valorização do espaço envolvente e devolvendo-o à população de Oeiras”.

Para a Ministra da Cultura, Graça Fonseca, “esta é uma oportunidade importante para preservar um imóvel classificado, dotado de elementos arquitetónicos de grande valor, e, simultaneamente, reforçar a importância do património do país como um fator determinante para gerar mais riqueza e maior investimento”.

Toda a informação sobre o concurso está disponível em  https://revive.turismodeportugal.pt/pt-pt/paco-caxias

0

O estatuto PME Excelência foi atribuído a 472 empresas do turismo – mais 20% face ao ano passado – que se distinguiram pelos seus desempenhos económico-financeiros e de gestão. A cerimónia de entrega de prémios é amanhã no Altice Forum Braga, às 14h30.

No seu conjunto, as 472 empresas do turismo distinguidas como PME Excelência representam 13.848 postos de trabalho diretos e apresentaram um volume de negócios de 865 milhões de euros em 2018. Com um ativo líquido de 795 milhões de euros, as PME Excelência do turismo têm uma autonomia financeira média de 61% e bons níveis de rentabilidade. O turismo representa, assim, uma quota de 19,8% do universo Excelência, sendo um dos setores que regista níveis de crescimento em todos os indicadores de desempenho. 

A nível setorial, as empresas distinguidas estão distribuídas pelas seguintes atividades: 326 estabelecimentos de restauração e bebidas, 112 alojamentos, 16 agências de viagem, 12 empresas de animação turística e 6 rent-a-car. É nos distritos de Lisboa, Porto e Faro – com, respetivamente, 140, 105 e 103 empresas -, onde se concentram 73,7% das PME Excelência. 

O presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, destaca que “em termos evolutivos, de 2009 a 2018, o número de empresas do turismo distinguidas como PME Excelência passou de 27 para 472. Só de 2017 para 2018, registou-se um acréscimo superior a 20% no número de empresas neste universo. É, portanto, essencial o apoio às empresas no desenvolvimento de uma visão criativa e inovadora, para posicionar Portugal como líder do turismo do futuro”.

É para a consolidação e sustentabilidade das empresas do setor, nomeadamente as PME, que o Turismo de Portugal pretende contribuir, dinamizando uma relação ágil e proativa entre a administração pública e o tecido empresarial, reforçando o acesso ao investimento, à capacitação, aos mercados e ao conhecimento, com o objetivo de posicionar Portugal como um polo de referência na inovação e na produção de bens e serviços para a indústria do turismo, uma das metas da Estratégia Turismo 2027.

Criado numa parceria com o IAPMEI e os principais bancos, PME Excelência é um estatuto de qualificação empresarial, que tem o objetivo de premiar o mérito de pequenas e médias empresas com perfis de desempenho superiores e que visa conferir notoriedade junto do mercado e proporcionar o acesso facilitado a financiadores e a soluções de crédito ajustadas às suas estratégias de investimento.

Os parceiros do Turismo de Portugal e do IAPMEI são Banco BIC, Banco BPI, Bankinter, Caixa Geral de Depósitos, Crédito Agrícola, Millennium bcp, Montepio, Novo Banco, Novo Banco Açores, Santander Totta e ainda a PME Investimentos e as Sociedades de Garantia Mútua Agrogarante, Garval, Lisgarante, Norgarante, Associação Portuguesa de Ética Empresarial, COSEC, CTT, Fidelidade, Futuro-Fundos de Pensões, Galp Energia, Grenke, InformaD&B e Universidade Católica Portuguesa.

2 empresas do turismo distinguidas

O estatuto PME Excelência foi atribuído a 472 empresas do turismo – mais 20% face ao ano passado – que se distinguiram pelos seus desempenhos económico-financeiros e de gestão. A cerimónia de entrega de prémios é amanhã no Altice Forum Braga, às 14h30.

No seu conjunto, as 472 empresas do turismo distinguidas como PME Excelência representam 13.848 postos de trabalho diretos e apresentaram um volume de negócios de 865 milhões de euros em 2018. Com um ativo líquido de 795 milhões de euros, as PME Excelência do turismo têm uma autonomia financeira média de 61% e bons níveis de rentabilidade. O turismo representa, assim, uma quota de 19,8% do universo Excelência, sendo um dos setores que regista níveis de crescimento em todos os indicadores de desempenho. 

A nível setorial, as empresas distinguidas estão distribuídas pelas seguintes atividades: 326 estabelecimentos de restauração e bebidas, 112 alojamentos, 16 agências de viagem, 12 empresas de animação turística e 6 rent-a-car. É nos distritos de Lisboa, Porto e Faro – com, respetivamente, 140, 105 e 103 empresas -, onde se concentram 73,7% das PME Excelência. 

O presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, destaca que “em termos evolutivos, de 2009 a 2018, o número de empresas do turismo distinguidas como PME Excelência passou de 27 para 472. Só de 2017 para 2018, registou-se um acréscimo superior a 20% no número de empresas neste universo. É, portanto, essencial o apoio às empresas no desenvolvimento de uma visão criativa e inovadora, para posicionar Portugal como líder do turismo do futuro”.

É para a consolidação e sustentabilidade das empresas do setor, nomeadamente as PME, que o Turismo de Portugal pretende contribuir, dinamizando uma relação ágil e proativa entre a administração pública e o tecido empresarial, reforçando o acesso ao investimento, à capacitação, aos mercados e ao conhecimento, com o objetivo de posicionar Portugal como um polo de referência na inovação e na produção de bens e serviços para a indústria do turismo, uma das metas da Estratégia Turismo 2027.

Criado numa parceria com o IAPMEI e os principais bancos, PME Excelência é um estatuto de qualificação empresarial, que tem o objetivo de premiar o mérito de pequenas e médias empresas com perfis de desempenho superiores e que visa conferir notoriedade junto do mercado e proporcionar o acesso facilitado a financiadores e a soluções de crédito ajustadas às suas estratégias de investimento.

Os parceiros do Turismo de Portugal e do IAPMEI são Banco BIC, Banco BPI, Bankinter, Caixa Geral de Depósitos, Crédito Agrícola, Millennium bcp, Montepio, Novo Banco, Novo Banco Açores, Santander Totta e ainda a PME Investimentos e as Sociedades de Garantia Mútua Agrogarante, Garval, Lisgarante, Norgarante, Associação Portuguesa de Ética Empresarial, COSEC, CTT, Fidelidade, Futuro-Fundos de Pensões, Galp Energia, Grenke, InformaD&B e Universidade Católica Portuguesa.

0

A campanha Building Wave do Turismo de Portugal, que durante 15 dias pôs Times Square, em Nova Iorque, a ‘surfar’ digitalmente a maior onda do mundo, está nomeada para os New York Festivals Advertising Awards, nas categorias Branded Content/ Entertainment e Public Relations: Travel/Leisure.

Numa criatividade da Partners, a onda de 24,38 metros surfada na Nazaré pelo brasileiro Rodrigo Koxa foi projetada em écrans LED num edifício que tinha a mesma dimensão, localizado na mítica praça norte-americana. O objetivo foi o de promover o destino e a sua oferta diferenciadora sob a umbrella Portuguese Waves, no âmbito da Estratégia Turismo 2027, o referencial estratégico para o turismo em Portugal nos próximos anos.

Com um investimento de 240 mil euros, o Turismo de Portugal mostrou um país que beneficia de um clima temperado ao longo de todo o ano, com uma costa que se estende por mais de 800 quilómetros e ondas regulares em toda a sua extensão, os ativos que fazem do surf uma âncora da comunicação internacional de Portugal.

Os vencedores são conhecidos em maio.