Hospitality Challenge: “A indústria turística vai enfrentar nos próximos anos duas grandes revoluções: a economía circular e o impacto social”

0
32

A Organização Mundial do Turismo (OMT) e a Sommet Education, o principal grupo de educação formado por Les Roches, Glion Institute of Higher Education e École Ducasse, apresentaram os três projetos finalistas do concurso “Hospitality Challenge” que receberam um bolsa de formação na Les Roches, uma das instituições especializadas na formação em Gestão Hoteleira mais importantes do mundo e reconhecida pelas empresas de recrutamento.

A Les Roches Marbella acolheu esta conferência virtual que, sob o título “¿Qué es lo próximo en carreras profesionales y responsabilidad social?”, que foi moderada por Antonio López de Ávila e contou com a participação de Manuel Butler, Diretor Executivo da OMT, José Ángel Preciados, CEO da Ilunion Hotels e Carlos Diez de la Lastra, CEO da Les Roches Marbella, que destacaram a situação do turismo, da indústria hoteleira e da hospitalidade e as possíveis soluções para acelerar a sua recuperação.

Poucas atividades económicas foram tão afetadas pela crise do coronavírus como a indústria do turismo, arrastada por restrições de viagens amplamente implementadas em todo o mundo. Um setor que, antes da pandemia, representava 14,6% do PIB espanhol e concentrava 2,8 milhões de empregos, segundo relatório do World Travel and Tourism Council. Recuperar este setor é, portanto, uma prioridade e neste cenário, empresas, centros de formação, universidades e organismos públicos desempenham um papel essencial.

Para Manuel Butler, diretor executivo da OMT, a responsabilidade social é uma das ferramentas essenciais para impulsionar o crescimento do turismo após a pandemia. “Nas últimas décadas, empresas e organizações têm-se centrado no fator económico, mas não podemos esquecer que o impacto social é fundamental e que a nossa indústria é, justamente, uma indústria de pessoas”, disse. Hoje, frisou, ser urgente promover um modelo de turismo mais responsável, com maior colaboração público-privada e destinos mais inteligentes que permitam estudar o estado desta indústria através de dados rigorosos e fiáveis, de forma a lançar políticas de turismo adequadas.  Para o diretor executivo da OMT, o setor enfrentará duas grandes revoluções nos próximos anos: a economia circular e o impacto social.

A este respeito, José Ángel Preciados, CEO da Ilunion Hotels, indicou que é fundamental que as empresas repensem os seus roteiros. “A experiência ao longo destes meses, em que o setor mostrou a sua enorme solidariedade, ensinou-nos que é uma obrigação moral tentar fazer as sociedades melhorarem a cada dia. Se algo nos permite parar como o que está acontecendo, é justamente para refletir sobre as estratégias das nossas organizações porque no final as empresas não desaparecerão por necessidade económica, mas será a própria sociedade que se filtra a partir das propostas que geram valor social agregado”, referiu.

Carlos Diez de la Lastra, diretor geral da Les Roches Marbella, também falou de valor social, que apontou que nesta equação são as universidades que devem liderar a mudança. “As universidades devem ser um farol que ilumina o caminho a seguir para as gerações futuras e devemos fazê-lo pelo exemplo”, afirmou. Sobre os principais desafios que isso representa para as instituições educacionais, de la Lastra indica que há um fator crítico: preparar os jovens para que tenham uma verdadeira consciência do seu papel como futuros líderes em situações tão críticas como a atual.

Nesse sentido, todos os palestrantes concordaram que serão os valores dos profissionais que irão marcar o futuro do setor. “Precisamos de profissionais corajosos, com capacidade e ambição de crescer”, indicou José Ángel Preciados, que prevê que nos próximos anos a indústria assistirá a um aumento nas contratações de pessoal relacionado com a área da saúde, como psicólogos e biólogos, mas também na área do ambiente, profissões a que o sector do turismo não está habituado mas que, nas palavras de José Ángel Preciados “beneficiam sem dúvida a relação com o cliente”.

Embora seja verdade que a tecnologia desempenha um papel fundamental no desenvolvimento do turismo, que também necessitará de perfis técnicos como matemáticos, programadores e engenheiros, para Díez de la Lastra as relações interpessoais serão finalmente as que farão a diferença face à concorrência . “Quanto mais tecnologia, mais importante se torna a contribuição do valor agregado gerado pelo tratamento humano com o cliente. O eixo vencedor será aquele que conseguir o equilíbrio entre as duas tendências”, afirmou também.

E o facto é que a indústria do turismo está passando por uma profunda metamorfose na qual as novas tecnologias são uma das principais protagonistas. Há alguns meses, falar sobre transformação digital em empresas, instituições ou setores era opcional, mas em tempos de pandemia, a digitalização é fundamental.

Na verdade, o setor da hotelaria e do turismo é um dos melhores exemplos de como a tecnologia pode desempenhar um papel decisivo no desenvolvimento das organizações. Para José Ángel Preciados, a transformação deve ser no domínio da eficiência, no entanto, destaca que a adoção destas ferramentas permite às empresas conhecer os seus clientes e, por isso, oferece a possibilidade de prestar uma atenção e um atendimento mais exaustivos a partir das preferências. “A inclusão de novas tecnologias permite interagir com os clientes e oferecer-lhes a melhor proposta de valor possível, algo que, sem dúvida, está transformando completamente os modelos de negócios”, concluiu.

Uma transformação em larga escala cujo grande desafio será a retenção e atração de talentos formados. Como referiu Manuel Butler, “o turismo do futuro vai girar em torno da inovação, da tecnologia e da investigação, pelo que a formação dos futuros profissionais do sector será essencial”.

Nesse sentido, e como assinalou Carlos Diez de la Lastra, não se trata tanto de ensinar o funcionamento de uma tecnologia específica, pois os grandes avanços na área a tornariam obsoleta em poucos meses, mas sim a prioridade é que os Alunos possam identificar que tecnologia é adequada para os seus projetos profissionais. Para Carlos Diez de la Lastra, “tecnologia e empreendedorismo devem andar de mãos dadas”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here