NH Hotel Group apresenta resultados positivos pela primeira vez em dois anos

O NH Hotel Group reportou um lucro líquido consolidado de 41,5 milhões de euros no quarto trimestre de 2021, assinalando o primeiro trimestre com resultados positivos desde o início da pandemia. Entre outubro e dezembro de 2021, o EBITDA recorrente, excluindo o impacto da contabilidade do arrendamento ao abrigo da IFRS 16, foi de 54,0 milhões de euros, em comparação com uma perda de 81,0 milhões de euros no quarto trimestre de 2020.

A retoma do grupo está a consolidar-se trimestre após trimestre. O Grupo apresentou uma receita de 618 milhões de euros no segundo semestre de 2021, que representa quase o triplo dos 216 milhões de euros obtidos entre os meses de janeiro e junho. As receitas do ano inteiro totalizaram 834 milhões de euros, um aumento de 54,6% em relação a 2020 (540 milhões de euros). Durante a segunda metade de 2021, a recuperação das receitas foi mais acentuada no sul da Europa graças ao menor número de restrições. Nesta região europeia, o impulso no negócio das viagens de lazer e a gradual recuperação nas viagens de negócios resultaram num impacto significativo nos principais destinos citadinos.

Em 2021, o NH Hotel Group reportou um prejuízo consolidado de 69,4% no valor de 133,7 milhões de euros (em comparação com um prejuízo de 437,2 milhões de euros em 2020). O EBITDA ascendeu aos 216,4 milhões de euros em 2021, em comparação com os 4,6 milhões em 2020. A retoma do negócio no segundo semestre, associada a um controlo rigoroso dos custos, também permitiu ao Grupo diminuir os seus gastos de tesouraria, gerando 29 milhões de euros no segundo semestre do ano. Além disso, o aumento de capital e a rotação de ativos durante o ano permitiu uma redução da dívida líquida de 685 milhões de euros no final de 2020 para 567 milhões de euros até 31 de dezembro de 2021. Por outro lado, a empresa conta com uma liquidez de 511 milhões de euros, dos quais 244 milhões de euros são detidos em numerário. O reforço da liquidez alcançado em 2021 permitiu que o Grupo começasse a reduzir a sua dívida bruta sem afetar a sua liquidez. Consequentemente, reembolsou na totalidade os 236 milhões de euros retirados ao abrigo do RCF, na totalidade, em 2021.

Ramón Aragonés, CEO do NH Hotel Group, acredita que oesforço significativo” realizado durante os últimos dois anos irá aumentar o valor do Grupo à medida que a recuperação ganhar força. “Em 2021 conseguimos reduzir as nossas perdas em 70% e retomar o fluxo de caixa na segunda metade do ano devido ao foco no controlo de custos e na estratégia de preços à medida que o negócio iniciou a retoma. Estamos no bom caminho de regresso à rentabilidade. Esperamos concluir esta trajetória este ano, tirando partido da nossa proposta de valor única no segmento de lazer, das localizações mais desejadas em cidades emblemáticas e da gradual recuperação desde o Verão nos segmentos MICE e nas viagens de negócios. A Ómicron tem tido um impacto significativo, mas limitado no tempo aos meses de menor atividade. Os dados de que dispomos este ano apontam até ao momento para uma recuperação de uma semana para a outra, convidando ao otimismo e deixando a expectativa de que as boas notícias começarão a chegar com maior rapidez”, afirmou.

A ocupação hoteleira foi em média de 34% em 2021, o que representa um aumento de nove pontos percentuais em relação a 2020. Note-se que ao longo do ano a ocupação mais do que duplicou, de 19% no primeiro semestre para 49% no terceiro trimestre e para 50% no quarto trimestre, apesar do decréscimo sustentado durante as últimas semanas do ano. Foi no segundo semestre, quando a atividade começou a recuperar, que a sólida estratégia de preços do Grupo se traduziu num crescimento mais forte da ADR: de 73 euros no primeiro semestre para 91 euros no terceiro trimestre e 98 euros no quarto, muito próximo dos níveis pré-Covid. A média para o ano foi de 89 euros, em comparação com 84 euros em 2020.

A forte procura interna e a recuperação gradual da procura intraeuropeia desempenharam um papel importante na tendência observada. O número de hotéis em funcionamento aumentou de 60% no início do ano para 95% em setembro. A variante Ómicron conduziu a uma redução da ocupação na Europa de 62% em outubro para 37% em dezembro. O mês de janeiro continuou a ser afetado com uma ocupação na Europa de apenas 26%; contudo, o mercado iniciou a sua recuperação durante as primeiras semanas de fevereiro de 2022. O NH Hotel Group vê o impacto da Ómicron como um fenómeno transitório que já está a dar lugar a uma recuperação intensa e rápida em todos os segmentos do negócio.

A receita por trimestre revela uma clara tendência ascendente, com um crescimento de 54,6% relativo ao ano inteiro.

As receitas por quarto disponível – RevPAR – recuperaram mais intensamente no sul da Europa graças ao levantamento das restrições. Em Itália, a RevPAR aumentou 97% em relação a 2020; em Espanha, 83%; na América Latina, 54%; no Benelux, 15%; e na Europa Central, 2%. Em Espanha, a RevPAR nas cidades secundárias aumentou 91%, em comparação com um crescimento de 72% em Madrid e de 68% em Barcelona. Em Itália, o crescimento da RevPAR foi particularmente dinâmico em Roma (+120% a partir de 2020) e Milão (+96%), em comparação com um crescimento de 89% nas cidades secundárias.

Relativamente à recuperação de receitas por região, em Espanha aumentou 71,6% em 2021, sendo particularmente notável o crescimento nos principais destinos da cidade na segunda metade do ano. Em Itália, as receitas anuais aumentaram 83,9%. As receitas mantiveram-se estáveis ano após ano no Benelux e 59,9% mais elevadas na Europa Central, em grande parte graças aos auxílios estatais diretos nesses mercados. Finalmente, as receitas na América Latina aumentaram 64,5% em termos de moeda constante, sendo o Chile e a Colômbia (+70%) os mercados mais fortes, seguidos do México (+52%) e da Argentina (+46%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here