Pestana e Escola Técnica Profissional da Moita lançam projeto-piloto

Pestana e Escola Técnica Profissional da Moita lançam projeto-piloto

0

“Qualificar para Crescer” é o nome do projeto-piloto que o Pestana Hotel Group e a Escola Técnica Profissional da Moita (ETPM) acabam de criar em conjunto, numa iniciativa pioneira em Portugal e que vai permitir que a “Escola seja desde o início uma empresa e vice-versa”. Uma parceria que foi assinada entre as duas entidades, ontem, 25 de maio, no Pestana Palace, em Lisboa.

Com início marcado para setembro, neste projeto, cuja co-criação é do Pestana Hotel Group, os quadros Pestana têm um papel fundamental e ativo no mentoring, planeamento e implementação do Curso Profissional de Técnico de Restaurante/Bar, bem como, na formação e avaliação dos 26 alunos que o frequentam na ETPM, nesta fase de piloto.

De acordo com José Theotónio, CEO do Pestana Hotel Group, “temos vontade de participar de forma ativa na formação dos futuros profissionais do sector e o compromisso assumido aqui hoje com este projeto é a imersão imediata em ambiente empresarial real durante os 3 anos académicos, assegurando que no dia da entrada no mercado profissional em contexto laboral real os alunos estão num ambiente natural e já totalmente adaptados, em total alinhamento com as necessidades do empregador e as expectativas dos clientes. É um programa educativo que na sua génese, foi desenhado em conjunto e por isso totalmente adaptado às realidades atuais do mercado.”

O curso contempla um plano curricular de três anos letivos, numa média anual de 1.100 horas. Para além disso, desenvolve-se em três áreas: sociocultural, científica e técnica, onde se inclui a formação em contexto de trabalho, representando um volume global de formação de cerca de 86.000 horas.

Os recursos humanos do Pestana Hotel Group asseguram formação técnica, bem como, a realização da formação em contexto de trabalho, a desenvolver nas várias unidades hoteleiras do grupo, em Portugal e no estrangeiro, o que representará um volume de formação de 21.000 horas.

 

* Leia o artigo completo na próxima edição da Revista Viajar

SEM COMENTÁRIO

Leave a Reply