AHP promove debate sobre desafios e oportunidades do mercado chinês

AHP promove debate sobre desafios e oportunidades do mercado chinês

0

A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal organizou, na passada quinta-feira, o workshop “O Mercado Chinês – Fidelizar o Turista Chinês: Da Hospitalidade à Comunicação”.

A iniciativa, organizada em parceria com a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC), decorreu no Lisbon Marriott Hotel e reuniu mais de 120 participantes, que tiveram a oportunidade de debater temas como a promoção de Portugal no mercado chinês, o perfil do turista chinês e a importância da diferenciação.

A presidente da Direção Executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, recordou no seu discurso de boas-vindas que, em três anos, o número de hóspedes chineses em Portugal mais do que duplicou, graças a uma importante estratégia de captação de turistas chineses desenvolvida pelos organismos estatais portugueses, referindo ainda a recente visita da Secretária de Estado à China, a abertura de um novo consulado português em Cantão e a negociação da nova ligação aérea direta como claros exemplos desse esforço.

O workshop contou com a presença de Miguel Moraes, Head of Trade Marketing do Turismo de Portugal, que apresentou os projetos que este organismo tem vindo a desenvolver junto do mercado chinês, tais como as reuniões oficiais com os operadores turísticos e o projeto de E-learningTravel Specialist” (com 2300 operadores chineses já certificados como ‘especialistas’ nas regiões turísticas portuguesas e 900 em vias de conclusão).

Enquanto primeiro mercado emissor à escala mundial, representando em 2016 cerca de 137 milhões de turistas, a maioria com habilitação superior e quase 70% com origem nas chamadas cidades first tier, a China mostrou trazer desafios e oportunidades bastante diversificados.

Mais 19,5% de turistas e 16,3% de receitas desde 2015

Representando, em Portugal, o 14º maior mercado emissor no que diz respeito a hóspedes, e o 18º em dormidas, os turistas chineses tendem a chegar maioritariamente por via terreste (apenas 23% dos hóspedes chegam por via aérea, de acordo com os dados do Turismo de Portugal) e em circuitos turísticos organizados que decorrem entre vários países, o que se traduz numa uma estada média muito reduzida (cerca de 1,68 noites).

Em 2016, segundo dados do Turismo de Portugal, o número de turistas chineses em Portugal terá alcançado os 182.958, um aumento de 19,5% face ao ano anterior. No total, terão sido responsáveis por cerca de 307.085 dormidas e por um aumento de cerca de 16,2% das receitas geradas, face a 2015.

O crescimento da importância do mercado chinês para o setor turístico português e a sua evolução constante marcaram, desta forma, o tom do evento, com Miguel Moraes a afirmar que “dentro de alguns anos, e se a China continuar a crescer como tem crescido, é provável que atinja o top 10 do mercado nacional”, sendo este, para mais, “um mercado muito equilibrado e interessante do que respeita a sazonalidade”, com dois grandes picos off-season, em fevereiro e outubro, correspondentes aos feriados nacionais chineses.

Numa breve introdução ao perfil do turista chinês e à sua relação com Portugal, Coral Chen, General Manager da Beijing Capital Airlines, referiu a importância da atenção ao detalhe, como a existência de sinalética, indicações e guias turísticos fluentes em mandarim e pacotes especiais para os turistas chineses, na fidelização deste mercado.

Chitra Stern, administradora do grupo Martinhal, por sua vez, destacou a importância da segmentação e abordou, em particular, o caso dos segmentos de Luxo e Família, reiterando a importância da aposta no marketing e relações públicas a nível local para um posicionamento mais eficaz. “Nós trabalhamos arduamente, por exemplo, na dimensão das relações públicas e dos prémios nacionais e internacionais – não só os mais gerais como, e sobretudo, os mais específicos”, concluiu a administradora.

Adaptar a oferta e alongar a estada média

Já no âmbito do painel debate “Hospitalidade para com o Turista Chinês numa perspetiva sociocultural, que contou com a presença de Shu Jianping, Conselheiro Cultural da Embaixada da China em Portugal, Fernando Costa Freire, Managing Partner da EDELUC, Elmar Derkitsch, Diretor Geral do Lisbon Marriott Hotel e Miguel Cymbron, Diretor de Vendas e Marketing do Grupo VIP Hotels, debateu-se a necessidade de conseguir cativar os turistas chineses para estadias mais longas e da adaptação da oferta às suas necessidades.

Serviços tão simples como o de oferecer um pequeno-almoço ajustado aos hábitos alimentares chineses, ou o de disponibilizar uma chaleira no quarto, como referiram Miguel Cymbron e Elmar Derkitsch, foram alguns dos pontos prioritários identificados. O representante do grupo VIP Hotels mencionou, ainda, estar a trabalhar há já muito tempo a relação com a China, um mercado onde é necessário “cultivar antes de colher frutos”, adiantando não considerar um handicap o facto de não estar ligado a uma grande marca ou cadeia Internacional. Já o representante do grupo Marriott reconheceu que, no seu caso, a integração numa marca reconhecida é um fator gerador de maior confiança.

“Os elementos que atraem turistas são um conjunto de fatores, e não só culturais”, relembrou Shu Jianping, “poderá ser o clima, por exemplo, e em Portugal pode ser a segurança – muito importante para os turistas chineses, a gastronomia – muitas vezes com sabores semelhantes à chinesa – e, claro, um povo maravilhoso”, completou o Conselheiro Cultural da Embaixada da China em Portugal, afirmando que a ainda pequena percentagem de turistas chineses que escolhem Portugal como destino se deve, sobretudo, “ao desconhecimento entre os dois países”.

3 voos semanais, 40.560 lugares por ano

O novo voo direto entre Hangzhou e Lisboa da Beijing Capital Airlines surge, assim, como uma nova oportunidade de aproximação. Com três ligações semanais (todas as quartas, sextas e domingos), cada voo terá 260 lugares disponíveis, num total de 40.560 lugares por ano. Estima-se que cheguem, semanalmente, cerca de 670 passageiros ao aeroporto de Lisboa. “O voo vai trazer mais turistas e também mais notoriedade a Portugal”, referiu Miguel Cymbron durante o debate.

O embaixador da China em Portugal, Cai Run, relembrou, no seu discurso de encerramento, o papel fundamental do setor turístico no desenvolvimento do conhecimento mútuo entre países e nações e as novas oportunidades que o setor enfrenta com o aprofundar das relações entre os dois países. O diplomata aproveitou, ainda, para “endereçar os parabéns, em nome da embaixada, ao setor do turismo em Portugal”.

Encerrando o workshop, Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, reiterou que o país em debate no evento “é uma China que cada vez mais se aproxima da Europa e é uma China com um cliente cada vez mais exigente”.

Este workshop foi o segundo de um ciclo que a AHP tem vindo a dedicar a Mercados Emissores ao longo de 2017. Depois do mercado alemão e do mercado chinês, seguir-se-ão os mercados francês e americano, em datas a comunicar brevemente.

SEM COMENTÁRIO

Leave a Reply