Chef Vera Silva muda-se para o Ânfora e estreia nova carta de...

Chef Vera Silva muda-se para o Ânfora e estreia nova carta de outono/inverno

0

No Ânfora, restaurante do hotel Palácio do Governador, as memórias e os sabores tão portugueses estão cada vez mais vivos e na nova carta outono/inverno estão realçados nos pratos criados pela nova chef executiva Vera Silva.

Do centro de Lisboa, a chef Vera Silva rumou até Belém para trazer ao Ânfora, do grupo NAU Hotels & Resorts, as mais saborosas memórias da gastronomia que caracteriza as gentes e as regiões de Portugal.

A nova carta que agora entra em vigor privilegia os produtos locais e da estação com a ambição de despertar a cada prato degustado o conforto e as recordações de sabores muito portugueses.

O menu à la carte inicia-se, como seria de esperar em qualquer experiência de contos de fadas, com o “Era uma vez…”. São quatro as entradas pelas quais se pode começar a refeição com os olhos postos nas plácidas águas do Tejo e o paladar a viajar por harmoniosas texturas e combinações de sabores. Destaque para as Vieiras em noisette, Puré de couve-flor, chips de Cupita, pelo perfeito embora inusitado equilíbrio entre os sabores da vieira e o enchido alentejano.

Saudável e amigo de uma alimentação equilibrada, “Peixe fresco come-o cedo” já lá diz o ditado e reforça-o as quatro propostas frescas e saborosas de pratos de peixe que o Ânfora sugere. Entre eles o Peixe-Galo, sobre um aveludado de “xerém” à bulhão pato, um encontro de texturas entre o aveludado de xerém e a subtileza do peixe ao qual ninguém fica indiferente.

“Boa é a cozinha onde há carne” e no Ânfora ela apresenta-se tenra e suculenta. Igualmente com quatro propostas, a chef Vera Silva realça o Lombinho de Cordeiro, Castanhas nas diferentes cozeduras, cogumelos selvagens, pela sua forte ligação aos produtos da estação.

Mas para quem não é de peixe nem é de carne há três sugestões em “Os nossos Vegetarianos”, o Linguinni, os Tubérculos da época e Bulgur.

“Não havendo duas sem três, as sobremesas quem as fez?!” são o pretexto para uma boa conversa e para terminar a refeição da melhor maneira. Porque estamos em território do mais lisboeta dos pastéis, a chef Vera sugere, de entre as quatro sobremesas (a que se junta os pratos de queijos nacionais ou fruta da época), o De Belém e do Café, O pastel de nata vamos ter fé, uma reinterpretação do afamado pastel com café e um cheirinho do mesmo.

SEM COMENTÁRIO

Leave a Reply