easyJet lança certificados de compensação de carbono da indústria

Este movimento permite ajudar os clientes empresariais a medir a compensação de carbono e a poupança de custos para viagens de negócios

A easyJet lançou relatórios de emissões de carbono para os seus clientes empresariais, com o objetivo de ajudar as empresas a medir o impacto da compensação das emissões de carbono quando voam com a companhia e a consequente poupança de custos para os seus programas de viagens de negócios.

Os certificados – os quais se acreditam ser os primeiros a ser lançados na indústria – partilham factos, com base em dados de voo reais para permitir às empresas medir as emissões de carbono compensadas quando voam com a easyJet e para as ajudar a estabelecer objetivos para viagens futuras. Estes documentos também irão auxiliar as entidades a identificar as poupanças a nível de custos feitas com a easyJet para compensar as emissões de carbono do combustível utilizado em todos os seus voos, sem custos adicionais para os seus clientes.

A easyJet é a única companhia aérea europeia a compensar as emissões de carbono do combustível utilizado em todos os voos sem custos adicionais para os seus clientes. A companhia apoia apenas projetos certificados pelo Gold Standard ou pelo Verified Carbon Standard, que são sistemas de certificação internacionalmente reconhecidos.

Os relatórios também fornecem informações sobre as iniciativas que a companhia aérea apoia através do seu programa de compensação de carbono, bem como o trabalho mais amplo que tem feito em torno da sustentabilidade. A easyJet já está a trabalhar com vários parceiros líderes da indústria, incluindo a Airbus, Rolls-Royce, Cranfield Aerospace Solutions e Wright Electric, com o propósito de acelerar o desenvolvimento da tecnologia de aviões com emissões zero e de infraestruturas de apoio para a aviação do futuro. A companhia está otimista para começar a levar os seus clientes a viajar em aviões alimentados por combustão de hidrogénio, hidrogénio-eléctrico ou um híbrido de ambos, até meados dos anos 2030.

A easyJet transportou mais de três milhões de clientes empresariais no seu ano fiscal 2021, tendo observado uma retoma nas viagens de negócios, mais rapidamente do que o esperado. As PME’s sempre voaram de forma desproporcionada na easyJet enquanto as entidades corporativas procuram valor, bem como as companhias aéreas que as ajudam a reduzir a sua pegada de carbono.

Defender o desenvolvimento de um avião com emissões zero para descarbonizar a aviação tem sido, desde há muito tempo, um foco para a easyJet. Nesse sentido, a companhia aérea está a trabalhar com parceiros de toda a indústria como a Cranfield, Airbus, Rolls-Royce e Wright Electric, para acelerar o desenvolvimento de tecnologias com emissões zero.

No ano passado, a easyJet anunciou que a sua adesão à Race to Zero, uma campanha global apoiada pela ONU para atingir emissões líquidas zero de carbono até 2050. Ao juntar-se à Race to Zero, a companhia aérea compromete-se a estabelecer uma meta provisória baseada na ciência para 2035, bem como a atingir emissões líquidas zero de carbono até 2050.

Em 2019, a easyJet tornou-se a primeira grande companhia aérea do mundo a compensar as emissões de carbono do combustível utilizado em todos os seus voos, sendo que atualmente continua a ser a única grande companhia aérea na Europa a fazê-lo. Este movimento acontece sem custos adicionais para os seus clientes. Além disso, a companhia só apoia projetos que certificados pelo Gold Standard ou pelo Verified Carbon Standard. Esta é uma medida provisória enquanto são desenvolvidas novas tecnologias.

Além do carbono, easyJet está a concentrar-se na redução do plástico – mais de 36 milhões de artigos de plástico de utilização única foram eliminados – bem como na redução do desperdício dentro das suas operações mais vastas e da cadeia de fornecimento. A companhia aérea introduziu recentemente novos uniformes de tripulação feitos a partir de garrafas de plástico reciclado. Com 45 garrafas em cada uniforme, esta ação tem o potencial de evitar que 2,7 milhões de garrafas de plástico acabem em aterros sanitários ou nos oceanos durante os próximos cinco anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here