Inquérito AHRESP: Perdas de 40% na restauração e de 60% no alojamento

O ano 2022 começou pior que 2021 para as empresas da restauração, similares e do alojamento turístico. Em janeiro, metade das empresas da restauração registaram quebras acima dos 40% e um terço das empresas de Alojamento tiveram quebras acima dos 60%, ainda por razões associadas ao fenómeno pandémico.

Esta é uma das conclusões do mais recente Inquérito AHRESP. Realizado no decorrer do mês de fevereiro, e representativo dos setores da restauração, similares e do alojamento turístico, em todo o território nacional, este inquérito revela assim um cenário ainda muito dramático para as nossas atividades económicas.

De facto, as quebras na faturação resultam em muito dos efeitos diretos do pico da 5ª vaga da pandemia. De acordo com o inquérito, 78% das empresas de restauração e similares e 37% das empresas de alojamento já tinham tido trabalhadores infetados. 51% e 19%, respetivamente, tiveram mesmo de encerrar por um período nunca inferior a sete dias por esse motivo.

Em consequência deste ambiente, o inquérito revelou, de novo, um aumento das intenções de insolvência, chegando mesmo a duplicar nas empresas de restauração. Hoje, 31% das empresas de restauração e similares ponderam mesmo encerrar definitivamente. A situação é menos gravosa no alojamento, com 8% das empresas a referirem esta intenção.

Uma das preocupações sentidas nos últimos tempos tem sido a notória dificuldade de contratação de profissionais para estes setores. Das empresas de restauração que tiveram necessidade em contratar novos colaboradores, 90% tiveram fortes dificuldades em consegui-lo. As funções com maior dificuldade de contratação foram 75% para profissionais de cozinha e 72% para profissionais de mesa/balcão.

Tais dificuldades também se fizeram sentir no alojamento, apresentando o inquérito que 78% das empresas sentiram dificuldades na contratação, especialmente para as funções de limpeza, cozinha e receção.

Muito relevante ainda é o facto de 52% das empresas da restauração e 28% do alojamento referirem que tiveram de adiar investimentos por terem dificuldades em contratar recursos humanos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here