Sábado, Novembro 17, 2018
Tags Post com a tag "Receitas"

Receitas

0

A atividade turística em Portugal continua a crescer de forma sustentada, com um crescimento das receitas muito superior ao do número de turistas. Em julho, as receitas do Turismo atingiram 2.011,3 milhões de euros, de acordo com os dados divulgados esta manhã pelo Banco de Portugal, ultrapassando pela primeira vez os dois mil milhões de euros neste mês.

Este resultado representa um crescimento de 9,5% face ao mesmo mês de 2017, e de 27,9% face a julho de 2016, o que representa uma subida de 440 milhões de euros em apenas dois anos.

No acumulado dos primeiros sete meses de 2018, as receitas turísticas crescem 12,9%, para 8.913 milhões de euros, mais de mil milhões de euros acima do que foi registado no mesmo período de 2017.

Estes números demonstram que o Turismo em Portugal está a captar turistas que gastam mais e, assim, a crescer mais em valor. Nos primeiros sete meses do ano, os hóspedes cresceram 1,6% e as dormidas recuaram 0,3%.

O saldo da balança turística cresce 15,3% até julho, para 6.222 milhões de euros.

Este crescimento reflete uma cada vez maior diversificação de mercados. Entre os que mais crescem estão a Irlanda (+30%), os Estados Unidos (+20,1%), a Itália (+17,8%), a Bélgica (+17%), a Alemanha (+16,4%), a França (+15,7%) e o Brasil (+14,7%).

O crescimento acumulado das receitas é resultado de aumentos muito expressivos nos meses do início do ano, considerados de época baixa, nos quais se registaram as subidas mais robustas de receitas.

A Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, diz que “estes resultados mostram que estamos a conseguir crescer em termos de receitas de turismo a um ritmo muito mais acelerado do que em volume de turistas. O turismo está a crescer mais em valor, conseguindo alargar a atividade ao longo do ano e ao longo do território. Temos de continuar este trabalho, promovendo um turismo sustentável”.

0

A atividade turística nacional continua a crescer de forma assinalável na época baixa. De acordo com dados do Banco de Portugal divulgados hoje, as receitas de fevereiro de 2017 ascenderam aos 677,5 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 13% face ao período homólogo, um número verdadeiramente impressionante e que está em linha com um outro recorde conquistado neste mês: o do número de hóspedes que, pela primeira vez ultrapassou 1 milhão no mês de fevereiro.

Nos primeiros dois meses de 2017 a receita acumulada é de 1.362,2 milhões de euros, 15,2% acima do valor registado em igual período de 2016.

Em comparação com fevereiro de 2016, os maiores crescimentos verificaram-se nos mercados brasileiro (+38,8%), italiano (+22,1%), americano e irlandês (+20,3%) e francês (+14,9%).

Em termos absolutos, o mercado do Reino Unido foi o que mais pesou para as receitas no turismo em fevereiro, com 114,9 milhões. Seguiram-se Espanha (111,3 milhões de euros), França (102,5 milhões de euros) e a Alemanha (75,5 milhões de euros).

Considerando o acumulado dos primeiros dois meses do ano, o top 4 dos mercados mais importantes em termos de receitas turísticas são: Reino Unido (215,2 milhões de euros e um crescimento de 11% face ao período homólogo), França (212,3 milhões de euros e crescimento de 14%), Espanha (202 milhões de euros e uma subida de 10%) e Alemanha (146 milhões de euros e um aumento de quase 13%).

Estes números vêm confirmar os resultados divulgados a semana passada pelo INE e que comprovam que a aposta feita por este governo no alargamento da atividade turística ao longo do ano e por todo o território está a ter resultados concretos.

Os primeiros dois meses do ano estão em linha com as taxas de crescimento alcançadas em 2016. Verifica-se um crescimento de 11% nos hóspedes (2 milhões), de 10% nas dormidas (5,1 milhões) e de 16% nos proveitos (260 milhões de euros).

Em 2017, o crescimento da atividade turística está a fazer-se sentir em todas as regiões, destacando-se, no entanto, a evolução na área metropolitana de Lisboa (16.2%), nos Açores (14,2% e no Alentejo (11,5%).

O mercado interno foi o responsável por 1,5 milhões de dormidas (crescimento de 3,2%) e o mercado externo representou 3,6 milhões de dormidas (crescimento de 13,2%).

 

 

0

As receitas da atividade turística de 2016 ascenderam aos 12,680 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal divulgados esta segunda-feira. Estes resultados significam um crescimento de 10,7% face ao ano de 2015, mais 1,2 mil milhões de euros, o que representa o maior crescimento absoluto dos últimos dez anos.

Os meses nos quais a atividade turística registou maior subida foram outubro, novembro e dezembro, respetivamente com 10,3, 10,8 e 10,7%, prova de que a aposta na oferta turística ao longo do ano está a ter resultados positivos.

Também o saldo da balança turística cresceu, no caso 12,7%, atingindo os 8,8 mil milhões de euros.

Em 2016, e pela primeira vez, foram os turistas franceses quem mais gastou em Portugal – 2,277 mil milhões de euros-, seguidos dos turistas do Reino Unido – 2,267 mil milhões de euros- e dos espanhóis – 1,641 mil milhões de euros. Já em percentagem de crescimento o top 3 é constituído pela Alemanha – 17,6% -, seguida da Itália – 17,2% – e da Irlanda – 16%.

Para Ana Mendes Godinho, Secretária de Estado do Turismo, estes números «refletem o dinamismo da atividade turística e a capacidade de Portugal crescer cada vez mais em valor, o que demonstra que os turistas que nos visitam estão a gastar mais no destino Portugal.» A Secretária de Estado do Turismo destaca ainda que «em 10 anos Portugal duplicou as receitas turísticas.»

0

No passado mês de junho as receitas turísticas em Portugal ultrapassaram os mil milhões de euros. Nunca antes, no mês de junho, se tinha atingido esse valor e o recorde fixou-se nos 1.022 milhões de euros, mais 10,6% face ao mês homólogo do ano anterior. Em termos acumulados, o setor do turismo fecha o primeiro semestre a crescer 9,2% face a 2015, com um total de 5.007 milhões de euros de receitas.

Os dados divulgados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística e pelo BdP – Banco de Portugal confirmam a importância do setor na economia portuguesa. De acordo com os dados do último boletim estatístico do INE, em junho de 2016, as dormidas de estrangeiros, em Portugal, situaram-se nos 3,97 milhões, apresentando-se como principal mercado emissor o Reino Unido (com 1,1 milhões de dormidas), enquanto as dormidas dos portugueses representaram 1,52 milhões.

Já os dados do Banco de Portugal refletem a boa performance do Turismo em Portugal, com as Receitas Turística a consolidarem-se nos 1.022 milhões de euros, representando um crescimento de 10,6%, face ao mês homólogo do ano anterior.

Esta tendência de bons resultados verifica-se desde março de 2016, com o Banco de Portugal a revelar que o valor nesse mês foi de 783,47 milhões de euros, 902,51 milhões de euros em abril, 1.115,76 milhões de euros em maio e 1.022,11 milhões de euros em junho.

De referir ainda que a procura foi impulsionada pelos principais mercados europeus consolidados para Portugal – Reino Unido, Alemanha, França, Espanha e Holanda – concentram 65% do total de dormidas de estrangeiros entre janeiro e junho de 2016. Dos 10 principais mercados para Portugal, destaca-se o crescimento do mercado inglês (+499,6 mil dormidas com 918,4 milhões de euros em receitas), o alemão (+236,7 mil dormidas e com 598,7 milhões de euros de receitas) e o francês (+273,3 mil dormidas e com 774,8 milhões de euros em receitas), ao passo que os Estados Unidos apresentam o maior crescimento em termos relativos (20,9%), demostrando o evidente aumento da eficácia da mensagem comunicacional de Portugal.

De destacar ainda o crescimento de outros mercados menos relevantes em termos de dimensão mas que apresentam um comportamento muito interessante no primeiro semestre deste ano, tais como a Polónia, que registou aumentos na ordem dos 25,6%, o Canadá com crescimentos de 24,7%, a República Checa com aumentos de 24% e o Japão com crescimentos de 19,8%.

Finalmente destacam-se os valores do Rendimento Médio por Quarto Disponível (RevPar) que evidenciam importantes taxas de crescimento. Em junho de 2016, o RevPar registou um crescimento a dois dígitos de janeiro a junho de 2016 (12,9%). Este valor é superior à taxa de crescimento de hóspedes que foi de 10,8% (acumulado de janeiro a junho de 2016), destacando-se desta forma o excelente desempenho das empresas nacionais.

Para o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, “O primeiro semestre de 2016 foi muito positivo para o turismo em Portugal. Todos os indicadores relevantes cresceram de forma substancial, numa linha sustentada. Estes números são efetivamente motivadores e iremos continuar a trabalhar em conjunto para que as empresas portuguesas se tornem ainda mais competitivas, sólidas e inovadoras. Queremos, de forma sustentada, induzir o crescimento neste que é um setor tão importante para a economia portuguesa”. “Estes dados são reveladores quanto ao que podemos esperar dos meses de verão, onde a tendência de crescimento se irá, por certo, manter. Realço ainda o esforço de comunicação de promoção do nosso país em mercados não tradicionais e reforço da comunicação nos mercados habituais para que possamos manter os bons resultados também nos meses de menor procura”, afirma ainda Luís Araújo.

0

A Amadeus IT Holding S.A. apresentou esta segunda-feira os resultados financeiros e operacionais para o primeiro semestre do ano de 2016, com um resultado líquido ajustado de 494,5 milhões de euros, o que significou um crescimento de 17,9% em relação ao mesmo período de 2015, fundamentado por um aumento de receita de 15,1% para 2,275.5 milhões de euros e um crescimento de EBITDA de 16,5% para 907,1 milhões de euros. O fluxo de caixa livre cresceu 23,2% no primeiro semestre, com o rácio da dívida de 1.31x EBITDA.

O crescimento da receita foi de 7,5% para 1,520.5 milhões de euros. As reservas aéreas das agências de viagens subiram 5% para 279.3 milhões de euros, superando o crescimento da indústria GDS em 2,2%. Desta forma, a quota de mercado cresceu um ponto percentual, atingindo os 43,2% no mercado.

Cerca de 75% das reservas aéreas feitas através do sistema Amadeus mundial foram com companhias aéreas que têm acordo com a Amadeus. Desde o início do ano, novos contratos ou renovações de contratos foram assinados com 21 operadoras, incluindo a LATAM Airlines Group S.A. (“LATAM”), a Virgin Australia, a Emirates, a Air Cairo e a Etihad Airways.

O crescimento também se fez notar nos segmentos low cost. A Spring Airlines, a companhia aérea low cost chinesa, disponibilizou os seus conteúdos através do sistema Amadeus. Além disso, os agentes de viagens que utilizam o sistema Amadeus podem agora reservar as Fare Business Plus da Ryanair. Os utilizadores do sistema Amadeus têm acesso a um inventário de mais de 80 companhias low cost e híbridas no mundo. As reservas deste segmento cresceram 17% no primeiro semestre de 2016 em comparação a 2015.

Os clientes Amadeus, onde se incluem a LATAM, a Flybe e a Ukraine International Airlines, continuam a contratar as nossas soluções de merchandising. A partir do final do primeiro semestre, 63% das reservas aéreas globais processadas através do sistema Amadeus permitiam a contratação de serviços auxiliares. No final do primeiro semestre, 110 companhias aéreas tinham aderido ao Amadeus Airline Ancillary Services para o canal indireto, e das quais 86 já os tinham implementado. Incluindo os clientes que tenham contratado esta solução tanto para o seu canal indireto ou canal direto, o número de companhias aéreas contratadas é de 157, em que 121 dos quais já foram implementadas.

As soluções Fare Families da Amadeus, que permitem às companhias aéreas distribuir tarifas de marca, tinham 39 contratos em vigor, incluindo os recém-assinados Scandinavian Airlines, Iberia e Ural Airlines. 30 clientes, incluindo a WestJet do Canadá, implementaram já a solução Fare Families,.

As vendas de merchandising através do canal de distribuição indireto Amadeus tiveram um recorde neste primeiro semestre, com um aumento de 80% nos serviços auxiliares aéreos vendidos através do sistema Amadeus, sobretudo através das mais de 30 agências de viagens on-line (OTAs) globais que integram as soluções de merchandising Amadeus.

A consolidação com a Navitaire contribuiu significativamente para a performance das soluções de TI.

As receitas aumentaram em 34.4% e alcançaram os 754.9 milhões de euros. Os passageiros embarcados tiveram um créscimo de 75.7% com um total de 622.4 milhões em que 229.5 milhões foram da Navitaire.

Luis Maroto, presidente & CEO da Amadeus, avança que “o forte primeiro semestre de 2016 é o resultado do crescimento contínuo dos nossos core businesses e da contribuição positiva das nossas mais recentes aquisições”. Por outro lado, “a nossa área de distribuição continua a crescer mais rapidamente do que a indústria, e a sua posição competitiva mais uma vez aumentou, para 43,2%. A nossa estratégia de diversificação geográfica continua a dar frutos sendo a Ásia & Pacífico e a América do Norte as regiões de maior crescimento para a Amadeus. Continuamos a investir em tornar o nosso GDS o sistema mais eficiente na distribuição de produtos de viagem, como indica o sucesso das nossas soluções de merchandising: 157 companhias aéreas confiam em nós para a distribuição dos seus serviços auxiliares através dos canais diretos e indiretos”, acrescentou.

O responsável afirmou ainda que “o negócio de IT para companhias aéreas também revelou um forte crescimento no primeiro semestre de 2016. O número de passageiros embarcados com reservas feitas através da nossa plataforma Altéa cresceu 10,9%, suportado pelo crescimento da nossa base de clientes e entradas de novos clientes. Este forte desempenho foi complementado com a aquisição da Navitaire à Accenture, finalizado em janeiro. Graças à sua contribuição, o número total de passageiros embarcados usando sistemas PSS Amadeus aumentaram 75,7%, para 622,4 milhões”.

Várias companhias aéreas globais continuaram ainda a apostar nas soluções Amadeus. “A Malaysia Airlines escolheu a Amadeus como o seu novo fornecedor de PSS; a Singapore Airlines assinou o pacote completo das soluções Amadeus Revenue Management; o grupo Lufthansa contratou o Amadeus Altéa Departure Control Flight Management para todas as companhias aéreas da rede; e a Avianca tornou-se o parceiro de lançamento para Amadeus Anytime Merchandising”, mencionou.