TAP afirma ter cumprido o plano de estruturação com resultados líquidos negativos de 1,600 M€

A TAP registou resultados líquidos negativos de 1,6 mil milhões de euros em 2021, melhor que o previsto no seu plano estratégico (1,75 mil milhões de euros), incluindo o reconhecimento de custos não recorrentes de mil milhões de euros.

A primeira metade de 2021 foi marcada por severas restrições à mobilidade doméstica e internacional devido à pandemia de Covid-19, levando a uma imobilização quase total dos aviões da companhia aérea durante vários meses.

Ao longo do segundo semestre, foi-se verificando a reabertura gradual das fronteiras, apesar de dois dos principais mercados da TAP, Brasil e EUA, só terem retomado os voos internacionais com Portugal durante o último trimestre do ano.

No final de 2021, com a aprovação do Plano de Reestruturação e com o objetivo de concentrar a TAP no negócio do transporte aéreo, foi tomada a decisão de alienar ou encerrar algumas das participadas, nomeadamente a TAP ME Brasil, cujo desempenho histórico se tinha refletido em crescentes perdas acumuladas.

Assim, no âmbito da reestruturação empresarial do Grupo TAP incluída no Plano de Reestruturação, foi registada uma imparidade extraordinária na conta a receber da TAP SGPS, que representa a maioria dos custos não recorrentes registados no quarto trimestre de 2021.

Apesar da lenta reabertura das fronteiras, nomeadamente fora do espaço Schengen, e da propagação da variante Ómicron, a TAP conseguiu limitar as perdas resultantes da imobilização forçada da sua frota, através de uma gestão cuidadosa das rotas disponíveis para operação, com a utilização do tipo apropriado de aeronaves mais flexíveis e eficientes, através do redimensionamento dos recursos humanos e dos custos com pessoal, da renegociação em grande escala dos contratos com os fornecedores e com a adoção de uma nova política de controlo rigoroso das despesas e investimentos por todas as áreas da empresa.

A prossecução desta estratégia reflete-se na recuperação significativa do EBITDA recorrente no segundo semestre de 2021, anulando as perdas operacionais registadas durante o primeiro semestre, permitindo que o ano de 2021 seja encerrado com um EBITDA recorrente positivo de 11,7 milhões de euros.

No último trimestre de 2021, no contexto do Plano de Reestruturação e reorganização da TAP SGPS, a TAP registou custos não recorrentes de 1024,9 milhões de euros com impacto nos resultados.

Em termos operacionais, o número de passageiros da TAP cresceu 25,1% (YoY) em 2021, ainda cerca de 34,2% do nível de 2019. A procura (medida em RPK) aumentou 25,6% (YoY), apesar de ainda ser de 35,5% dos números de 2019. As receitas de passageiros aumentaram 25,8% em 2021, acima do crescimento global de 20,1% (de acordo com a IATA) das receitas de passageiros da indústria.

As receitas operacionais totais atingiram 1388,5 milhões de euros, um aumento de 328,4 milhões de euros (+31,0%) em comparação com as receitas operacionais de 2020. As receitas de passageiros aumentaram 218,8 milhões de euros. As receitas de carga e correio subiram 88% (EUR 110,5 milhões), compensando totalmente o declínio das receitas de manutenção de EUR 13,7 milhões YoY (-20,1%).

Os custos operacionais recorrentes ascenderam a EUR 1866,5 milhões em 2021, uma diminuição de EUR 52,1 milhões (-2,7%) quando comparado com o mesmo período do ano passado, começando a refletir as medidas de reestruturação empreendidas pela Empresa, nomeadamente custos com trabalhadores (EUR -46,3 milhões e -11,0% YoY), custos de manutenção das aeronaves (EUR -5,0 milhões e -20,5% YoY) e custo dos materiais consumidos (EUR -10,1 milhões e -25,1% YoY).

A diminuição dos custos com trabalhadores reflete a saída gradual de 1 480 funcionários (valor líquido) ao longo do ano e os cortes nos salários que tiveram início em março de 2021.

O EBIT recorrente teve uma evolução positiva de 380,4 milhões de euros em 2021, para -478 milhões de euros, com um EBITDA recorrente de 11,7 milhões de euros (a 2ª metade de 2021 teve um EBITDA recorrente positivo de 176,4 milhões de euros).

Os resultados operacionais (EBIT) após as rubricas não recorrentes registaram um decréscimo de EUR 523,9 milhões de YoY para EUR -1488,7 milhões em 2021.

O resultado líquido do ano foi negativo em EUR 1599,1 milhões. É de salientar o impacto líquido negativo das diferenças cambiais (EUR 175,5 milhões) relacionado com a depreciação do EUR face ao USD (com um forte impacto nas rendas futuras e, portanto, não monetárias neste ano), e também a depreciação do BRL face ao EUR. Por outro lado, o resultado líquido da cobertura do Jet Fuel teve um impacto positivo de 8,7 milhões de euros.

Relativamente à liquidez, 2021 foi um desafio e a TAP manteve-se concentrada nas suas medidas de proteção da liquidez beneficiando dos aumentos de capital de maio e dezembro de 2021 de 462 e 536 milhões de euros, respetivamente (no contexto da Ajuda por Compensações de Danos da COVID e do Auxílio à Reestruturação). A TAP terminou o ano com 812,6 milhões de euros em caixa (+57% do que no início do ano).

Relativamente às rotas e à frota, ao longo de 2021, a TAP lançou uma estratégia de diversificação para impulsionar a recuperação, que resultou na abertura de novos destinos, com várias rotas tanto de longo como de curto/médio curso, como por exemplo: Montreal, Cancun, Punta Cana, Maceió, Zagreb, Ibiza, Fuerteventura, Agadir, Oujda, Monastir e Djerba. Na frota operacional, a TAP passou por uma redução líquida de 2 aeronaves para 94, com a eliminação progressiva de 2 Airbus A330ceo, 3 Airbus A320ceo e 2 Airbus A319ceo, enquanto 5 aeronaves da nova geração passaram a ser gradualmente introduzidas (2 A321neo LR e 3 A320neo), com a TAP a assegurar com êxito os acordos de financiamento para estas aeronaves. No final de 2021, 66% da frota operacional de médio e longo curso consistia em aeronaves da família NEO (contra 57% até 31 de dezembro de 2020 e 43% até 31 de dezembro de 2019).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here