AHP satisfeita com as novas medidas de lay off

0
140

A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal diz-se “satisfeita com as medidas apresentadas pelo Governo, sobretudo com a aprovação do Decreto-Lei n.º 10-G/2020 que veio esclarecer as condições de acesso das empresas e os procedimentos que devem ser adotados quando aplicadas as medidas excecionais e temporárias de proteção dos postos de trabalho”.

Em comunicado, a associação afirma que “tem estado em permanente contacto com o Governo, com quem já reuniu por diversas vezes sobre esta e outras matérias, como também tem informado e esclarecido os seus associados, quer através de contacto telefónico e email, quer através da análise e resposta a perguntas frequentes no âmbito da divulgação de medidas extraordinárias e alterações legislativas”.

Para Raul Martins, presidente da AHP, “tanto as medidas agora anunciadas, como as alterações às medidas de lay off vêm ao encontro das propostas que têm vindo a ser apresentadas pela AHP, pelo que tranquilizam bastante os empresários do setor”. No entanto, o dirigente associativo garante que apelaram “para que os pagamentos e os reembolsos às empresas, que têm de avançar com os salários dos trabalhadores e depois esperar pelo reembolso da parte da Segurança Social, fossem rápidos”.

O empresário e hoteleiro avança ainda que, pela informação que dispõem, “o Governo está a ter isso em consideração, sendo que os primeiros reembolsos estão previstos para 28 de abril”. Por outro lado admite: “todos sabemos que a situação é muito complicada para as empresas do setor, mas as respostas têm chegado e todas as nossas propostas têm sido atendidas. Consideramos, por isso, que as medidas, até agora anunciadas, são corretas e ponderadas e vão ao encontro do que é necessário para continuar a garantir os postos de trabalho e assegurar que teremos capacidade no futuro para retomar a nossa atividade,  mantendo os nossos excelentes profissionais”.

Raul Martins disse que a AHP está preocupada “quanto ao ritmo de retoma da atividade das viagens e turismo, que vai ser lenta e difícil. É, por isso, necessário alargar os prazos de reembolso das empresas quanto às linhas de apoio vigentes, permitindo-lhes vir a retomar a sua atividade em condições de honrar os seus compromissos”. Para isso, revela que irão propor ao Governo que os reembolsos dos financiamentos possam ser alargados para cerca de três anos.

Para dar resposta aos seus associados, a AHP criou uma linha específica de atendimento por email ou telefone, bem como uma plataforma aberta a toda a comunidade hoteleira – covid-19.hoteis-portugal.pt – onde se encontram os principais documentos e orientações divulgados pelas entidades oficiais e pela própria AHP, bem como respostas às perguntas mais frequentes colocadas pelos hoteleiros e que têm impacto na organização e na operação das empresas e das unidades hoteleiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here