APAVT exige do governo novos apoios para combater falta de turistas ingleses e alemães

A recente decisão do Governo alemão relativamente às viagens dos seus cidadãos para Portugal, depois da saída do nosso país da lista verde do Reino Unido, a par da incerteza causada pelo recuo no desconfinamento e o seu impacto nas férias dos portugueses, constitui, segundo a APAVT – Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, “um golpe fatal” nas expetativas de início de retoma para o turismo no seu todo, impondo-se a necessidade, urgente, de novos apoios que evitem a falência de todo um setor.

Portugal está, na prática, atualmente impossibilitado de acolher turistas de vários mercados, incluindo os dois maiores em termos de dormidas, e o primeiro e terceiro maiores em termos de receitas turística, o Reino Unido e a Alemanha, o que, para a associação representante dos agentes de viagens, vem criar um vasto deserto no panorama da oferta nacional e afasta qualquer possibilidade de retoma para as agências de viagens especializadas no turismo recetivo.

A APAVT considera que, do ponto de vista dos operadores turísticos e agências que se dedicam ao turismo de lazer, o cenário é igualmente desolador, goradas que estão as expectativas de uma retoma do negócio nesta época alta de verão. O chamado turismo de negócios permanece igualmente sem movimento.

Neste contexto, impõe que o Governo apresente, com carácter de emergência, novas medidas de apoio, designadamente a manutenção do layoff em circunstâncias idênticas às que existiam até maio deste ano, sob pena de se  desmoronar toda a estratégia delineada de manutenção da capacidade da oferta para assegurar as condições mínimas para a retoma económica.

No curto prazo, defende que os custos económicos e sociais das falências, incluindo o custo dos subsídios de desemprego, serão de valor muito superior ao investimento em medidas de apoio como as do layoff. A médio prazo, o custo será incomensuravelmente maior, na medida em que a impossibilidade de retoma de um setor que representa um contributo superior a 10% do PIB nacional terá um impacto que extravasa para toda a economia nacional.

“Temos desenvolvido, quer diretamente, quer através da CTP, um trabalho próximo e efetivo com o Governo, com especial realce para a nossa tutela, a Senhora Secretária de Estado do Turismo. Desejo e tenho confiança que este trabalho possa progredir, evidenciando com urgência a continuidade dos apoios às empresas, mais necessário do que nunca. A não ser assim, todos nos arriscamos a que os apoios a fundo perdido se transformem em saco roto, com a falência geral da oferta turística nacional, o que traria impossibilidade de recuperação económica para o País, bem como elevadíssimos custos em subsídios de desemprego”, afirma o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here