Centro de Portugal foi visitado por milhares de turistas no fim de semana da Páscoa

O fim de semana da Páscoa foi muito positivo para a atividade turística no Centro de Portugal, que registou taxas de ocupação elevadas em toda a região. Essa é a indicação que resulta de um levantamento realizado pelo Turismo Centro de Portugal junto das unidades hoteleiras e de turismo em espaço rural.

Os dados mostram que a procura para estes dias foi grande em todo o território do Centro de Portugal, com a taxa de ocupação a atingir, na globalidade da região, os 58,1% na sexta-feira e os 50,8%% no sábado. A amostra, que corresponde a cerca de um terço dos estabelecimentos hoteleiros e de turismo no espaço rural da região, foi feita antes do fim de semana, pelo que previsivelmente os números finais terão sido ainda mais significativos.

A procura registou um impacto particularmente expressivo nas sub-regiões de Aveiro, que apresentou uma taxa de ocupação de 78,7%, na sexta-feira, e de 70,7%, no sábado; da Beira Baixa, respetivamente com 61,8% e 66,9%; e Oeste, com 61,6%, na sexta-feira, e 60,8%, no sábado.

Mas esta foi também uma Páscoa muito gratificante para os empresários de turismo das sub-regiões do Médio Tejo (70,0% na sexta-feira e 42,1% no sábado), Coimbra (49,9% e 45,3%), Viseu Dão Lafões (44,5% e 45,1%), e Beiras e Serra da Estrela (47,3% e 45,1%).

Relativamente à origem dos visitantes, há a assinalar uma grande afluência de cidadãos espanhóis nos postos de turismo da Turismo Centro de Portugal – em Aveiro, por exemplo, 80,3% dos contactos no posto de turismo foram por parte dos “nuestros hermanos”. França, Brasil, Alemanha e Estados Unidos foram outros mercados emissores importantes, além, naturalmente, do mercado nacional. Uma nota para os 54 cidadãos de Israel que procuraram o posto de turismo de Aveiro na Sexta-Feira Santa.

Para Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal, “estes números do fim de semana de Páscoa, positivos em praticamente toda a região, levam-nos a acreditar que 2022 será, finalmente, o ano do início da recuperação da atividade turística. Apesar dos condicionalismos que limitam esta atividade – desde logo a pandemia, que ainda não acabou, a guerra na Europa e a subida do custo de vida –, a vontade de viajar e sair de casa por parte de todos é inabalável. Se nada de anormal acontecer até lá, cremos que o verão vai ser gratificante para os empresários da atividade turística da região. Mais do que ninguém, eles merecem que assim seja, depois de dois anos tão difíceis”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here