Pedro Costa Ferreira dá a conhecer lista para o próximo triénio da APAVT

0
12

Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT – Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo, que deu a conhecer a sua recandidatura ao cargo associativo para o triénio 2021-2023, a 22 de julho, torna agora publica a lista dos corpos sociais que irá liderar.

Ao seu lado na direção, Pedro Costa Ferreira terá Nuno Mateus, da Solférias, Duarte Correia, da World 2 Meet Portugal, e José Bizarro, da Transalpino, como vice-presidentes. Carlos Baptista, da Gecontur, Ricardo Correia, da Total Fun, e Paula Antunes, da Compasso, ficarão com os cargos de direção, embora esta última na unidade de Tesouraria. Elsa Diogo, Maria Isabel Martins e Ricardo Correia, da I. N. Tours, PT Team Agaxtur Europa e Total Fun, respetivamente.

O presidente da assembleia-geral será Tiago Raiano, em representação da Turangra, ao passo que Carlos Costa, da ClubTour, ocupará o lugar de vice-presidente. Catarina Cymbron da Melo, e Vânia Santos, da Clube AF Santos, serão respetivamente as primeira e segunda secretárias.

No que diz respeito ao Conselho Fiscal, este tem como presidente Armando Ferraz (Oásis), e como vogais efectivos António Palha (ACP) e Vítor Osório (Beta), e como vogal suplemente Mafalda Bravo (Escalatur).

A direção tem como presidente Pedro Costa Ferreira (Lounge), vice-presidentes Nuno Mateus (Solférias), Duarte Correira (World2Meet Portugal) e José Bizarro (Transalpino), como diretora-tesoureira Paula Antunes (Compasso), como diretores Carlos Baptista (Gecontur) e Joaquim Monteiro (Luisa Todi), como suplentes estão Elsa Diogo (I.N. Tours) Isabel Martins (PT Team) e Ricardo Correia (Total Fun).

Em entrevista ao Publituris, que pode ser lida esta quarta-feira, Pedro Costa Ferreira afirmou que a recandidatura surge como uma reação “absolutamente normal” das três lideranças dos corpos sociais da atual lista. “O nível da crise e a guerra é tão grande, que o presidente da Direção, o presidente da Assembleia Geral e o presidente do Conselho Fiscal demoraram cinco minutos a olhar uns para outros e a dizer que não podemos mudar a liderança a meio de uma batalha tão grave. Era um ato de cobardia muito grande e de consequências que podiam ser desastrosas. Portanto, não digo que estou feliz, triste, ou assustado. Foi uma reação absolutamente natural das três lideranças da atual lista que se mantêm”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here