Porto Bay Marquês com 48% de ocupação no primeiro mês de atividade

Aberto ao público há cerca de um mês, o Porto Bay Marquês, que se tornou na primeira unidade de quatro estrelas do grupo madeirense em Lisboa, resulta de um investimento de “12,5 milhões de euros”, avançou, esta quinta-feira, à Viajar, o CEO do Porto Bay Hotels & Resorts, António Trindade, por altura da inauguração oficial do hotel.

Durante os seis meses de remodelação do edifício a modificação foi quase completa e nada tem a ver com o antigo Hotel Avis, que aí permaneceu durante várias décadas.

António Trindade garante que “foram criados alguns conceitos destinados aos objetivos que o Porto Bay se propôs a fazer”, tanto nas zonas sociais como nos quartos. “Há um slogan à entrada do hotel que diz home is also a feeling que pretende ser uma resposta minha, enquanto hoteleiro, a uma aproximação ao cliente final feita de uma forma diferente, que não a de um tradicional hotel”, avançou o responsável. Assim sendo, forma criados “ingredientes” em todo o hotel, que “transportam ao hóspede ambientes íntimos, desde a receção com uma zona de estar, que funciona igualmente como biblioteca, o bar de cima a acompanhar o bar de baixo, uma piscina pequena com solário no último piso, além de unidades de alojamento que servem casais com família, dado que 21 das 72 unidades são júnior suites”. Por outro lado, o hotel de quatro estrelas conta ainda com quartos comunicantes, detentores de um hall comum, “que permite que familiares e amigos possam estar no hotel à vontade”.

Num tempo recorde de seis meses o hotel abriu com uma imagem completamente diferente da anterior, mas como António Trindade avançou “ou era agora ou era só daqui a um ano”, porque “há que abrir os hotéis no momento certo para se aproveitarem os melhores meses turísticos de uma cidade, neste caso o verão de Lisboa”.

Taxa de ocupação surpresa

Uma surpresa para o hoteleiro madeirense foi a taxa de ocupação desta nova unidade no primeiro mês de operação. “Esperávamos apenas uns 20%, mas a verdade é que conseguimos chegar aos 48%”, em grande parte devido a mercados estrangeiros (96%), e sobretudo ao inglês, francês e alemão. 50% dos clientes que pernoitaram no Porto Bay Marquês já são clientes repetentes das unidades Porto Bay na Madeira. “Vamos criando uma repetição, com uma mesma lógica de afirmação de produto nos diferentes sítios onde nos colocamos, respeitando esta relação de fidelização com os nossos clientes, que tem sido muito motivadora para novos produtos que vamos criando”, esclareceu.

Leia o artigo completo na Edição de julho (nº 351) da revista VIAJAR – Disponível online

.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here