Zalamea de la Serena promove peça de teatro em Portugal

Zalamea de la Serena promove peça de teatro em Portugal

0

O Instituto de Cervantes, em Lisboa, recebeu esta sexta-feira, 19 de maio, a apresentação da peça “O Alcaide de Zalamea”, um dos símbolos da literatura espanhola, com vista a promover a região de Zalamea de la Serena como festa de interesse turístico nacional e que há 24 anos se desenrola no mês de agosto, durante quatro dias.
Na apresentação, que contou com a presença de D. Miguel Ángel Fuentes, Alcade do município de Zalamea de la Serena, D. José Ángel Benítez Nogales, Deputado de desenvolvimento Local da região provincial de Badajoz, esteve também o diretor da companhia de teatro, D. Miguel Neto, que desde 1994 abraça o desafio de encenar e envolver todos os habitantes daquela região.
Entre 17 e 22 de agosto, Zalamea de la Serena transforma-se num palco gigante, onde 729 dos 3.800 habitantes que ali moram vestem o papel de atores amadores para contar a história de “O Alcaide de Zalamea”, transportando quem assiste para o século XVI e dar vida à obra de Calderón de la Barca. Cavalos, burros, pombas e mais de 700 pessoas contracenam em três cenas, que segundo o diretor “se dividem em várias outras pequenas cenas”. Os visitantes assistem sentados ao espetáculo, que apesar de retratar uma sociedade de há 400 anos traz à cena temas tão atuais como a “desigualdade de géneros ou o abuso de poder”.
“É muito gratificante encenar estes atores amadores, que durante o dia têm as suas profissões normais. Não recebem dinheiro por esta interpretação, fazem-no por amor”, sublinha D. Miguel Neto.
Pela primeira vez, a famosa obra literária espanhola atravessa a fronteira para se apresentar no país vizinho, que segundo o Alcalde do município de Zalamea de la Serena, D. Miguel Ángel Fuentes, “faz todo o sentido, uma vez estarmos tão perto. De Zalamea de la Serena até Lisboa são 3h30 de viagem, enquanto até Elvas são apenas 1h30. Creio que esta proximidade que temos com o povo português agora está mais presente do que nunca.”
A festa, que já recebe nos quatro dias em que se desenrola, cerca de 10 mil visitantes provenientes de todos os cantos do mundo, concorre agora a festa de interesse turístico nacional, depois de em 2008 ter sido declarada Festa de Interesse Turístico Regional e de o povo de Zalamea de la Serena ter recebido a medalha da Extremadura em 2011. Uma candidatura que é apoiada pela região de Badajoz, pelo Instituto de Cervantes e pelo Turismo de Badajoz, tendo vindo a ser promovida através de presenças em eventos estratégicos, como a Bolsa de Turismo de Lisboa ou a Fitur em Madrid.
“O teatro transformou-se num ponto de união importantíssimo, une todo o povo independentemente de cor política, situação económica, forma académica, é uma festa na qual confluímos todos os habituantes de Zalamea de la Serena e mostramos ao mundo que a cultura não está encerrada em bibliotecas e museus, que parte das gentes e as gentes fazem-na sua, o teatro é seu, um componente popular muito importante”, explica ainda À Revista Viajar, o mesmo responsável, que garante haver muito mais do que teatro para ver neste município de Espanha na província de Badajoz.
“Temos um mercado artesanal do século do ouro espanhol, que foi a época de maior esplendor literário dentro da história de Espanha, há mais representações teatrais de rua, pequenas peças apresentadas por crianças, por companhias amadoras, onde as pessoas podem ir comer e beber como se fazia há 400 anos na casa de Pedro Crespo – o personagem central da peça “O Alcaide de Zalamea” – em pratos de barro, com comida da época e ver ali mais teatro. Também complementamos com visitas ao Castelo mandado construir pelo nobre Juan de Zúñiga y Pimentel, onde se escreveu a primeira gramática castelhana, visitar a casa de Pedro Crespo, onde pensamos que é a casa de o Alcaide de Zalamea. Criámos dentro do teatro uma oferta cultural grande para que o visitante que chegue a Zalamea sinta o que é o teatro e o século de ouro”, conclui o Alcalde do município de Zalamea de la Serena.

SEM COMENTÁRIO

Leave a Reply