AHP critica severamente fechamento de Portugal a mercados emissores de turistas

A AHP condena o Governo português por não estar a aceitar o certificado de vacinação de cidadãos norte-americanos e brasileiros, bem como os certificados de vacinação de britânicos que estejam inoculados com a vacina da AstraZeneca fabricada na Índia, quando vários países europeus, como Espanha, França, Suiça e Alemanha, já o fazem.

Para o presidente da AHP, Raul Martins, “esta é uma decisão exclusivamente política. O Governo não só está em contraciclo com o que se está a passar e a esquecer uma orientação do Conselho Europeu já de há muito – isto é, que os Estados Membros podem seguir as orientações relativamente à aceitação de vacinas aprovadas pela OMS mesmo que não homologadas, ainda, pela EMA -, como está abertamente a prejudicar as empresas turísticas e, por essa via, a recuperação económica do país. É lamentável o que está a acontecer”.

Segundo Raul Martins, “as empresas estão a  fazer o impossível: contatam diretamente os operadores, as companhias aéreas, os clientes habituais, e o que ouvem é que estes não pretendem retomar as viagens para Portugal porque mesmo os clientes vacinados estão sujeitos a  testes à entrada, testes para frequentarem hotéis, restaurantes e outros equipamentos quando outros destinos não têm este tipo de restrições. Ora de pouco serve os empresários estarem a puxar pela economia se depois o Governo não cria as condições para que o negócio se possa concretizar! Assim será impossível que a retoma se faça, quando a concorrência está bem à nossa frente e estes mercados, fundamentais para Portugal, mais ainda porque viajam fora da época alta, não podem vir para o nosso país. O nosso Primeiro-Ministro fala muito em abertura, e que Portugal liderou o caminho para a criação do certificado digital na UE, mas afinal esta iniciativa e a nossa suposta abertura acabou aí.”

O dirigente associativo defende que “afinal temos um certificado de “trazer por casa”! Infelizmente não vemos o nosso primeiro-ministro preocupado com a economia mas apenas com medidas sanitárias conduzidas exclusivamente pelas autoridades de saúde de Portugal. É indispensável  ver para além da nossa fronteira! Esta gestão é desastrosa e vai-nos empurrar para a cauda da Europa. Lamentável, de facto, até para a própria TAP; que tinha rotas já consolidadas nos mercados americano e brasileiro e não as pode aproveitar”.

A AHP, que já por diversas vezes junto do Governo tem apelado à necessidade de ser encontrado um equilíbrio entre a saúde / segurança públicas e a economia, considera agora  que só com uma intervenção ao nível de outras instâncias políticas se poderá ir ao encontro deste desígnio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here