Hoteleiros madeirenses pessimistas quanto a 2020

Hoteleiros madeirenses pessimistas quanto a 2020

0
oznorTO

88% dos hoteleiros madeirenses perspetivam que o ano de 2020 sejam pior em termos de taxa de ocupação e preço médio por quarto, quando comparando com o ano transato.

A opinião dos hoteleiros insulares faz parte do estudo realizado pela AHP – Associação da Hotelaria de Portugal, intitulado “Balanços & Perspetivas”, entre 12 de dezembro e 10 de janeiro, incluindo os seus associados e ainda os aderentes do AHP Tourism Monitor, apresentado esta quarta-feira em Lisboa. No entanto, este ano a mostra do estudo incluiu 47% da hotelaria a nível nacional, e as regiões dos Açores e Alentejo foram excluídas devido a um número insuficiente de inquiridos.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, que apresentou o estudo, fez questão de mencionar à exceção do Centro, por ter uma “expetativa muito elevada de melhoria”, as previsões dos inquiridos em relação à taxa de ocupação “não traz muitas surpresas”.

Em Lisboa e Algarve os hoteleiros acreditam que em 2020 irão ter uma taxa de ocupação praticamente idêntica à conseguida no ano passado e no Norte as opiniões os hoteleiros ficaram mais divididos embora se tenha verificado uma tímida previsão de melhoria em relação a uma igualdade em relação a 2019.

A Região Autónoma da Madeira é de todas a região que antevê um quadro mais negro, demonstrando o quadro de variação negativa que o destino insular tem vindo a verificar, sobretudo neste último ano tanto em termos de taxa de ocupação como em preço médio por quarto.

Por outro lado, Lisboa, o Norte e o Centro têm grades expetativas quanto ao preço médio por quarto, sendo que o Algarve é “bastante conservador quanto à evolução do preço, estimando que se mantenha bastante idêntico”, afirmou Cristina Siza Vieira.

No que toca à estada média, a maioria dos inquiridos considera que esta será igual à de 2019, à exceção do Madeira que, para surpresa de muitos, afirma que será melhor no ano corrente.

Por último, nas receitas totais, no geral, os hoteleiros visionam uma melhoria para este ano, com o Centro e o Norte a destacarem-se.

Mercados

No que toca a mercados, tanto o Algarve como a Madeira perspetivam que o mercado britânico irá crescer, mas a presidente executiva da AHP enalteceu que “não foi estranho que parte das respostas tenha sido obtida já depois das eleições no Reino Unido”.

No Algarve o mercado nacional surge na segunda posição, antecipando as férias de verão dos portugueses, e em terceiro lugar, mas com uma grande diferença do segundo surge o francês, seguido do alemão, norte-americano e espanhol.

Já na madeira o mercado francês surge na segunda posição bem destacado das restantes, onde o alemão, o norte-americano e o português ocupam as posições seguintes.

No que toca a Lisboa, Centro e Norte as expetativas são bastante distintas do Algarve e da Madeira. Em qualquer umas dessas regiões os hoteleiros consideram que o mercado nacional será o que irá crescer mais, seguido do espanhol, francês [embora este com maior expressão no Centro e Norte do que em Lisboa].

Quanto a segmentos, os hoteleiros de Lisboa, Norte a Algarve acreditam que o Mice – Meetings, Incentives, Conferences and Exhibitions terá uma elevada expressão, ao passo que a Madeira acredita que o Sol e Mar, pensado é claro em Porto Santo, irá registar maior procura.

Lisboa, Norte e Centro têm boas perspetivas em relação ao segmento de city/short breaks, sendo que também o Norte e Centro antecipam um bom ano no que toca ao turismo religioso.

Constrangimentos

Coo maiores constrangimentos para o crescimento e evolução do setor neste novo ano, os hoteleiros apontaram, em primeira linha, o “abrandamento da economia portuguesa”, “o Brexit e a contração do mercado do Reino Unido” e a “escassez de recursos humanos”. Em segunda linha de importância apontaram ainda a “dependência dos operadores online”, os custos com utilities (água, eletricidade e gás), a capacidade aeroportuária [sobretudo os hoteleiros de Lisboa, Madeira e Algarve] e o crescimento do número de camas [Norte].

Aberturas e remodelações

51 são os novos hotéis previstos para este ano segundo a AHP. A par surgem nove remodelações, sendo que é no Norte que surge a maior parte de intenção de investimento, num total de 18 novas unidades hoteleiras e cinco remodelações.

Na região de Lisboa estão previstas 14 novas aberturas, ao passo que no Centro estimam seis e no Algarve três, no Alentejo e na Madeira duas novas unidades e nos Açores apenas uma.

Cristina Siza Vieira frisou que algumas destas intenções iniciais ficam pelo caminho ou então não terminam no ano inicialmente previsto. Por exemplo, em 2019 estavam previstas 65 aberturas quando na realidade apenas abriram 24 e 15 remodelações ou reaberturas quando apenas se registam 12.

SEM COMENTÁRIO

Leave a Reply